SuperMercado

Informações sobre varejo, atacado, distribuição, marketing, administração, produtos e negócios.

Couro brasileiro e Apex-Brasil

 

As exportações têm um peso determinante sobre a atividade industrial curtidora do Brasil: atualmente, mais de 80% de todos os couros produzidos no país são vendidos ao mercado externo. Neste cenário, cabe ao Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), entidade que representa este setor brasileiro, destacar o papel determinante da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) para a evolução e participação do couro do país no mercado internacional. Se, antes do surgimento da agência, o Brasil exportava menos de US$ 700 milhões por ano em couros, hoje podemos destacar que chegamos aos US$ 2 bilhões anuais – um salto de 65%.

Companhias curtidoras de todos os portes – começando pelas microempresas, que iniciam seus primeiros passos nas exportações –  foram oportunizadas de ascender no comércio exterior por meio de ações da Apex-Brasil, criando empregos, renda e divisas para o país. Promoção comercial, sustentabilidade, design e inteligência de mercado são alguns dos pilares que dão base ao trabalho desenvolvido pela agência – que conduz, em parceria com o CICB, o projeto Brazilian Leather, para o incentivo às exportações de couro. Somos 260 curtumes no Brasil, dos quais 110 (que abrangem mais de 90% das exportações totais do país) estão inseridos no Brazilian Leather, participando de ações que nos possibilitam exportar para mais de 90 nações, como China, Itália, Estados Unidos e Vietnã.

É inegável o papel das exportações no crescimento econômico de qualquer país. E é incontestável a importância dos projetos e ações desenvolvidos pela Apex-Brasil em parceria com o CICB para que o couro do Brasil pudesse chegar ao patamar que se encontra atualmente, sendo um dos cinco maiores exportadores deste material no mundo. Seguimos com desafios diários nesta pauta intensa que é a exportação, sobre a qual o investimento constante de todos os atores da indústria, a pesquisa, a sustentabilidade e a união se fazem determinantes para o crescimento e a continuidade no mercado internacional.